Palpites

Padrão

Esta semana os pitacos estão tomando o espaço das lembranças no blog (pra mim isso é ótimo). Mas, para minhas amigas que preferem ler minhas histórias, prometo que semana que vem tudo volta ao normal:

 

É muita cara-de-pau começar a reclamar da Seleção Brasileira depois da derrota para a Argentina. Até ontem, às 20h45, o Brasil era franco favorito, tinha o “quarteto dos sonhos”, blábláblá… O coitado do Galvão Bueno (argh!) começou o jogo tão animado, falando que Brasil e Argentina tinham mais semelhanças que diferenças… até ver o Adriano partir pra cima do Ayala e o Ronaldinho Gaúcho dar na cara do Sorín.

 

O Brasil tem mais time que a Argentina sim, só que eles entraram para ganhar e nós, de salto alto. Eles marcaram o tempo todo e aproveitaram os contra-ataques; mas nós não tínhamos jogadores de marcação no meio de campo. O Emerson ficou praticamente sozinho, já que Ronaldinho Gaúcho, Zé Roberto, Roberto Carlos, Cafu e Kaká raramente voltavam para marcar. Resultado: sobrou tudo para Juan e Roque Junior.

 

Não que o Parreira esteja certo em escalar sempre Edimílson, Gilberto Silva e companhia; mas contra a Argentina deveria ter sido este o time sim. Talvez ele não tenha mudado no intervalo porque era praticamente impossível virar o jogo àquela altura. Preferiu confiar no talento do quarteto, que até foi pra cima no segundo tempo (segundo me falaram, porque não vi), mas sem sorte e sucesso.

 

Outra coisa inaceitável: falar mal do Robinho. Hoje cheguei a ler um comentário no blog do Lédio Carmona, do Globo Online, que dizia que o Robinho é o novo Denílson na seleção. Aí já é sandice demais. Ninguém joga maravilhosamente bem o tempo todo e ontem realmente a Argentina não deixou o Brasil criar nada. Robinho é excelente e não é mais promessa; é real. Preciso enumerar quantas vezes ele provou isso no Santos? Até admito que ele possa ter sentido a pressão do jogo e da torcida, que não parou de cantar um minuto sequer. Mas ele é craque. E ponto final.

 

OBS: Não resisti e publiquei uma foto do Kaká, o colírio da Seleção…

 

___

 

Só pra não dizerem que não falei mais no “mensalão”: Veríssimo, como sempre, matou a pau em sua coluna no O Globo. Vejam:

 

“Não fosse por um detalhe, o que estaria em curso hoje no Brasil seria um clássico golpe conservador, como todo o seu arsenal de moralismo seletivo e denuncismo dirigido, contra um inadmissível governo de esquerda. O detalhe que falta, claro, é o governo de esquerda.
No fim, a explicação que tem de ser dada não é a dos suspeitos para os jornais e as CPIs, é a do PT para os seus militantes e eleitores, para aquele cara acenando sua bandeira vermelha na esquina, sozinho, de graça, porque acreditava e confiava. E o que precisam lhe explicar é por que mágica seu voto no PT deu num Roberto Jefferson com tantos poderes no governo, inclusive o de derrubá-lo.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s