Sem nenhum esforço

Padrão

Fiz ontem uma pesquisa simples no Google: queria saber o que os veículos de comunicação tinham publicado a respeito da seguinte notícia – “Petrobras é a quarta empresa mais respeitada do mundo”.

Estava à procura de uma matéria que aprofundasse o assunto, sem maiores expectativas. Mas o resultado me chocou. Cliquei em mais de 20 sites diferentes e, em todos eles, sem exceção, a notícia que encontrei era exatamente a cópia do release divulgado pela própria Petrobras.

E não para por aí. Além da falta de apuração, da preguiça em ouvir um especialista ou alguém da Companhia, alguns veículos ainda assinaram a matéria. Isso eu achei demais, juro. O nome de uma repórter numa matéria que foi inteiramente copiada, vírgula por vírgula, do release.

A grande maioria dos sites citava como fonte a Agência Estado, que fez um Ctr C + Ctr V perfeito. Ou seja, o veículo nem se deu ao trabalho de colocar o release: ainda foi buscar numa agência o que recebeu por e-mail.

Pode parecer um assunto menor, mas pra mim é muito preocupante. Por isso os jornais são todos iguais, por isso os jornalistas combinam lead entre si, por isso a nossa Imprensa é tão subserviente. Não existe criatividade, apuração.

Muitas vezes o jornalista, sem condições de trabalho, com um deadline apertado e um editor no seu pescoço, prefere optar pela cópia do release. OK, isso é passível de acontecer. Mas não pode ser regra, nunca! E o que se vê hoje é isso: notícias iguais, de fontes iguais. Quando não é assim, a Imprensa se atrapalha toda, acha que é polícia e começa a investigar daqui, a grampear dali. Deturpa um papel que não é dela, em nome do que alguém infeliz um dia chamou de “quarto poder”.

Se os veículos de comunicação fizessem apenas o seu trabalho, que é contar histórias/ fatos, já seria um enorme ganho para os leitores. Se eles se preocupassem em apurar cada vertente da notícia e deixá-la mais amigável para o público, já seria excelente. O problema é que a Imprensa vai atrás do que lhe apraz. E essa seleção é injusta, depende da linha editorial de cada veículo.

O grosso mesmo, o que a gente lê no dia-a-dia, é cópia de release, meu caro. Os assessores de imprensa deveriam ganhar dobrado. Ter o texto publicado no Brasil inteiro seria um privilégio se não fosse de entristecer qualquer jornalista mais apaixonado.

Quem quiser conferir mais do mesmo, é só clicar nos links abaixo:

Release da Petrobras

Agência Estado

Correio Brasiliense

Yahoo Notícias

Abril.com

Último Segundo

Veja.com

Diário do Pará

Global 21

Anúncios

»

  1. Livia e eu que já ouvi da própria assessoria que no geral, a imprensa estava apurando tão mal, que era melhor copiar o release, que escrever alguma besteira?! É dura a vida da bailarina!

  2. Eu nunca consegui publicar um release na íntegra. Dificilmente o assunto no release já está totalmente explorado. Geralmente as entrelinhas dizem mais e são mais interessantes. Aprendi isso na universidade. Acredito que as ‘facul-boteco-fundo-de-prédio’ não estão ensinando isso!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s