Pequenas reflexões

Padrão

Fernando Pessoa, poesia escrita em 7 de janeiro de 1935:

Não quero rosas, desde que haja rosas.
Quero-as só quando não as possa haver.
Que hei de fazer das coisas
Que qualquer mão pode colher?

Não quero a noite senão quando a aurora
A fez em ouro e azul se diluir.
O que a minha alma ignora
É isso que quero possuir.

Para quê?… Se o soubesse, não faria
Versos para dizer que inda o não sei.
Tenho a alma pobre e fria
Ah, com que esmola a aquecerei?

Outra frase pinçada do livro “Deus trabalha no turno da noite”:

Aceitar a mão de Deus é fácil quando você é realista. Realista no sentido de se ver como deve. A tarefa à sua frente é grande demais. A montanha que vai subir é alta demais. As perguntas que lhe são feitas são difíceis demais, e não parecem ter respostas nesta terra.

Anúncios

»

  1. Por que você não marca “Deus trabalha no turno da noite” neste post também?
    (q tal reproduzir o livro todo aqui pra gente? hehehehe) 😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s