Arquivo mensal: dezembro 2009

Meu desejo para 2010 e sempre

Padrão

Estava pensando em algo bacana pra escrever neste finzinho de ano e fui me inspirar no blog dos amigos. E que boa surpresa tive ao me deparar com a frase abaixo no blog da Bibi:

Que tudo seja leve de tal forma que o tempo nunca leve.
Alice Ruiz

É exatamente assim que penso e é isso o que desejo pra todo mundo. Que vivamos a vida de cabeça fresca, com coração aberto e de alma lavada. Que a simplicidade seja regra e não exceção. E que o amor apareça em cada detalhe, em cada simples tarefa, em todo gesto. Feliz 2010!

Viver a (minha) vida

Padrão

2009 acabou mesmo, né? Tudo o que consigo fazer até o dia 31 parece nada perto do que já fiz o ano todo, mas… missão cumprida (e comprida também)! É tão, tão bom perceber que o ano está terminando e eu aprendi tanta coisa, acertei, errei, chorei, sorri. Uma amiga disse que seu 2009 foi precioso e eu adorei essa descrição.

O melhor é saber e sentir que 2010 será ainda melhor. Pode ser uma visão Polyana da vida, mas prefiro assim acreditar. Não, não vivo num mar de rosas, tenho problemas como todo mundo, sofro de TPM como qualquer mulher. Mas foi tão bom sentir o cuidado do meu Pai, aquele que nunca abandona a gente, em todos esses momentos…

Mesmo quando eu não percebia, mesmo quando a ansiedade tomava conta de mim, mesmo quando eu não entendia a espera. Hoje, quando posso olhar pra trás e entender perfeitamente o porquê de tudo, mais uma vez constato o óbvio: Deus cuida de mim e na sombra das Suas asas!

O que de mais importante aprendi nesse ano foi permanecer com o coração agradecido, mesmo quando o horizonte está nebuloso. Quando a coisa tá preta, todo mundo apela pra Deus, como talvez um último recurso, uma última esperança. Mas eu não sou assim, que bom! Quantas vezes vim pro trabalho cansada do trânsito, mas agradecendo a Deus por ter um emprego, por poder me locomover com conforto e por ter um casa, que é longe, mas é minha!

Acho que o Manoel Carlos é um pouco culpado desse meu momento-reflexão. Eu amo as novelas dele por causa das poesias, dos diálogos longos, do texto requintado. E os depoimentos no final da novela têm me ensinado muito. Pode ser piegas, mas às vezes a gente não percebe o quanto é abençoado em simplesmente poder andar, comer, ter saúde… essas pequenas coisas que fazem toda a diferença.

Um coração agradecido sabe ver nos problemas um aprendizado. E isso não tira o sofrimento, mas dá uma certeza absurda de que vai passar. E como é bom viver a vida com esse olhar!

Entre meias, malas e afins

Padrão

Então… estou de volta!

Gente, se nada acontecer com o Arruda e cia, juro que vou desistir de acompanhar a política no Brasil. Quanta vergonha alheia! Acho que o que mais me choca nas imagens é a expressão do rosto deles: aquela alegria incontida, uma naturalidade impressionante, como se estivessem escovando os dentes ou abrindo uma lata de palmito.

É feio, é imoral e, uma pena… é Brasil.