Arquivo mensal: agosto 2015

Caê e Gil

Padrão

Porque ontem fiquei hipnotizada com o show dos dois. Se pela TV já foi assim, imagina ao vivo. O Rio que me espere, once more.

Porque ‘Drão’ é minha preferida do Gil e foi lindamente cantada por eles.

E porque a Ivete só faz a figurante no vídeo abaixo.

Drão
O amor da gente é como um grão
Uma semente de ilusão
Tem que morrer pra germinar
Plantar nalgum lugar
Ressuscitar no chão
Nossa semeadura
Quem poderá fazer aquele amor morrer
Nossa caminhadura
Dura caminhada
Pela noite escura

Drão
Não pense na separação
Não despedace o coração
O verdadeiro amor é vão
Estende-se infinito
Imenso monolito
Nossa arquitetura
Quem poderá fazer aquele amor morrer
Nossa caminha dura
Cama de tatame
Pela vida afora

Drão
Os meninos são todos sãos
Os pecados são todos meus
Deus sabe a minha confissão
Não há o que perdoar
Por isso mesmo é que há de haver mais compaixão
Quem poderá fazer
Aquele amor morrer
Se o amor é como um grão
Morre, nasce trigo
Vive, morre pão
Drão…

Vai saber?

Padrão

Você há de concordar que ansiedade não é nada bom
Que não se despedir, mesmo virtualmente, não é educado
Que falar demais enjoa
E que dar-se a conhecer à distância nunca será suficiente.

Talvez por isso você sempre vem
Com um bom dia, boa noite, boa semana
Não está always on
E mantém um ar de mistério absurdamente sedutor.

Talvez você esteja fazendo tudo certo. Vai saber…